Postado em 17 de Maio às 15h39

Três são condenados por corrupção na Secretaria de Desenvolvimento Regional de Brusque

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a condenação de Jones Bósio, ex Diretor-Geral e ex-Secretário de Estado de...

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a condenação de Jones Bósio, ex Diretor-Geral e ex-Secretário de Estado de Desenvolvimento Regional de Brusque, de Vendelino Bósio, pai de Jones, e do empresário Cristiano Cunha pelo crime de corrupção. Os três réus foram condenados a penas individuais de três anos, um mês e 10 dias de prisão em regime aberto, substituída por prestação pecuniária e prestação de serviços comunitários.

A denúncia apresentada pelo 3ª Promotoria de Justiça relata que, em 2011, a Secretaria contratou, mediante dispensa de licitação, a empresa Alfa Terraplanagem e Locação de Máquinas para retirada de barro de residências afetadas pela enchente que ocorreu no município naquela época. O valor da contratação, foi de R$ 999.997,24. Desse valor, R$ 7 mil foram repassados diretamente da conta da empresa para a conta de Jones Bósio.

Ocorre, conforme destaca o Promotor de Justiça Daniel Westphal Taylor, que a empresa, apesar de estar em nome de Cristiano Cunha, era efetivamente controlada pelo pai de Jones, Vendelino Bósio. Para garantir que fosse esta a empresa a prestar o serviço, o então Diretor-Geral convidou outras duas empresas para orçar o serviço, também ligadas à sua família, que apresentaram valores superiores.

Além disso, o Jones Bósio assinou o contrato com a empresa mesmo sabendo que ela não tinha condições de executá-lo, o que resultou na terceirização do serviço pela empresa vencedora, o que é proibido por lei, e como gestor do contrato, tendo ciência da irregularidade, não tomou as providências cabíveis.

O crime de corrupção, passiva no caso de Jones e ativa no de Vendelino e Cristiano, configurou-se no momento no qual os R$ 7 mil foram repassados para a conta do Diretor-Geral. Salienta o Ministério Público que, antes de receber os valores referentes ao serviço, a conta da empresa estava zerada, o que não deixa dúvidas de que o valor recebido por Jones era relativo ao contrato.

Diante dos fatos e provas apresentados pelo Ministério Público, o Juízo da Vara Criminal da Comarca de Brusque julgou a ação procedente e condenou os três réus pelo crime de corrupção, atribuindo a cada um a pena de três anos, um mês e dez dias de reclusão em regime inicial aberto, pena substituída pela prestação de serviços comunitários, na razão de uma hora por dia de condenação, e prestação pecuniária de 20 salários-mínimos para cada um dos corruptores de 30 Salários-mínimos para Jones Bósio. A decisão é passível de recurso. (Ação n. 0900218-05.2015.8.24.0011)

Pelos mesmos fatos os réus são processados em ação civil pública por ato de improbidade administrativa, ainda não julgada, na qual o Ministério Público requer o ressarcimento do erário, o pagamento de multa, suspensão dos direitos políticos, perda da função pública e proibição de contratar com o Poder Público, penalidades previstas na Lei de Improbidade Administrativa.

Além destas duas ações Jones Bósio responde a outras 15 ações por atos de improbidade administrativa e a 19 ações penais por ilicitudes cometidas no exercício do cargo de Secretário de Desenvolvimento Regional de Brusque e mais uma ação por improbidade e uma ação penal por atos praticados como funcionário da Prefeitura.

Veja também

STJ julga hoje habeas corpus de Michel Temer14/05 Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil O Superior Tribunal de Justiça (STJ) julga hoje (14) pedido de habeas corpus feito pela defesa do ex-presidente Michel Temer. O caso será analisado, a partir das 14h, pela Sexta Turma do tribunal, responsável pelo julgamento de questões criminais. Na semana passada, Temer foi preso, pela segunda vez, por determinação da......
Marco Feliciano pede impeachment do vice-presidente Hamilton Mourão18/04 O deputado Marco Feliciano (Pode-SP) apresentou um pedido de impeachment contra o vice-presidente da República, General Hamilton Mourão. Em texto publicado no Twitter, o parlamentar, que é vice-líder do governo na Câmara, afirmou que Mourão tem praticado......

Voltar para Política