Postado em 13 de Fevereiro às 09h13

Geovania cobra celeridade na duplicação da BR 470

“A duplicação de uma rodovia tão indispensável ao desenvolvimento do Sul teve início em 2014 e não estamos nem perto de vê-la concretizada”, justifica a deputada

Brasília - A deputada federal Geovania de Sá (PSDB) protocolou Requerimento Nº 36/2019 que sugere ao ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas o incremento do orçamento destinado às obras de duplicação da BR 470. De acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias, o valor para a continuidade de tal duplicação no ano de 2019 será praticamente a metade do recurso utilizado em 2018.

“A duplicação de uma rodovia tão indispensável ao desenvolvimento do Sul teve início em 2014 e não estamos nem perto de vê-la concretizada”, justifica a deputada, relatando que, especificamente no estado de Santa Catarina, a BR 470 desempenha papel fundamental na produção e no transporte de riquezas de todo interior do Extremo Oeste ao Vale do Itajaí.

E a sua importância não pára por aí. A rodovia também faz intersecção com outras importantes vias federais, como a BR 101 e a BR 116. Liga todas as regiões do estado aos portos de Itajaí e Navegantes, onde acontece o escoamento de bilhões de dólares por ano em exportações.

Mas, para a deputada, a necessidade da conclusão desta obra vai além da relevância econômica. “A duplicação certamente vai salvar vidas, vai trazer mais segurança aos nossos motoristas”, defende Geovania, acrescentando que, hoje, a BR-470 encontra-se na 11ª colocação do ranking dos trechos rodoviários federais que mais matam em acidentes.

Num período de 10 anos, 2007 a 2016, foram 1.151 mortos e quase 20 mil feridos. Dados do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil do Brasil apontam que, do início até o Natal de 2018, foram registradas mais de 100 mortes no trecho que se encontra em duplicação, um crescimento de 35% em relação a 2017. É maior número desde 2014.

“Os números são estarrecedores e tornam-se ainda mais preocupantes pelo fato de que o orçamento destinado, até então, é completamente incompatível ao cronograma da obra que, inclusive, já deveria estar concluída”, lamenta a parlamentar.

Ela aponta que, no ano passado, foram disponibilizados R$ 35 milhões. Para 2019, serão destinados pouco mais de R$ 14 milhões. “Então, se 2018 já apresentou pouco progresso nos trabalhos, agora, com ainda menos orçamento, pouco avanço podemos esperar para este ano”, complementa a deputada.

Próximo passo - Geovania ainda acrescenta que já providencia audiência para cobrar pessoalmente do ministro uma solução para haver maior abertura das frentes de trabalho e as desapropriações necessárias à conclusão de uma obra desta relevância e complexidade.

Veja também

Voltar para Política