Postado em 12 de Março às 09h20

Assembleia destaca Campanha da Fraternidade 2019 com sessão especial

A mobilização é uma tradição da Igreja Católica e desde 1964 marca o início do período de quaresma no Brasil. Na edição deste ano o tema escolhido foi “Fraternidade e Políticas Públicas”.

Florianópolis - A Assembleia Legislativa, atendendo a uma proposição do deputado Padre Pedro Baldissera (PT), promoveu na noite de segunda-feira (11) uma sessão especial para destacar a Campanha da Fraternidade de 2019. A mobilização é uma tradição da Igreja Católica e desde 1964 marca o início do período de quaresma no Brasil. Na edição deste ano o tema escolhido foi “Fraternidade e Políticas Públicas”.

Na ocasião, foram homenageados a Regional Sul 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), pastorais, entidades sociais e pessoas que se destacaram por suas contribuições ao desenvolvimento de políticas públicas no estado.

Um dos homenageados da noite, o bispo e presidente da Regional Sul 4 da CNBB, Dom João Francisco Salm, qualificou polícias públicas como ações realizadas em atendimento às necessidades de um grupo de pessoas ou da população.

Ele também afirmou que a Igreja Católica vê como uma necessidade promover tais iniciativas, como forma de concretizar os direitos do cidadão previstos na legislação. “Há uma grande necessidade em relação a educação, saúde, emprego, acompanhamento de pessoas em situação de vulnerabilidade, para que de fato todos tenham a dignidade preservada. Desta forma, precisamos chamar a atenção do cristão católico, dos demais cidadãos de boa vontade, a participarem, por exemplo, de conselhos paritários de municípios ou grupos de reflexão, ou se integrarem em alguma atividade que ajude os governos a tornarem realidade aquilo que está previsto na Constituição”, disse.

Conforme Padre Pedro Baldissera, a CNBB reconhece que a questão é polêmica, tendo em vista que envolve uma maior cobrança e responsabilização de governos e entes públicos sobre a aplicação da legislação, mas também a vê como algo que precisa ser posto em debate. “São uma infinidade de políticas que infelizmente não estão colocadas ao alcance de todos os cidadãos e cidadãs, por isso a CNBB toma essa iniciativa, nos desafiando a assumir um compromisso coletivo na defesa das políticas públicas em todo o nosso país.”

Já o psicólogo e professor de ciência política, Célio Wanderley Moraes, que também discorreu sobre a temática, observou que a Igreja deve respeitar as prerrogativas do Estado na implementação das políticas públicas, mas que pode contribuir esclarecendo a sociedade sobre os direitos que possui. “Há o papel do Estado, há o papel da Igreja, mas o povo cristão precisa participar da deliberação das políticas públicas, organizar a população para conhecer os seus direitos. Esse é o nosso debate hoje aqui.”

Neste sentido, ele conclamou as pessoas a participarem dos debates relacionados às questões que são de interesse comum à sociedade. “É fundamental que a população vinculada à Igreja participe da vida social. Fazer religiosidade não é simplesmente orar, não é simplesmente rezar. É participar da construção do Direito no cotidiano e isso significa interferir nas políticas públicas.”

Homenageados

Dom João Francisco Salm, bispo e presidente da Regional Sul 4 da CNBB;
Prudente José Silveira Mello, advogado trabalhista e professor da Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina (Cesusc);
João Marcos Buch, juiz de Direito;
Analúcia de Andrade Hartmann, procuradora da República em Santa Catarina;
Ângelo Bussolo, padre da Diocese de Tubarão;
Daiszi Volpato, professora aposentada, realiza trabalhos de acolhimento aos migrantes;
Írma Kniess, diretora do colegiado do Centro de Direitos Humanos Maria da Graça Braz, de Joinville;
Maria Dalilla Pedrini, assistente social, atua como assessora de políticas públicas;
Joseanair Hermes, articuladora de projetos sociais da Cáritas Brasileira Regional de Santa Catarina;
Instituto Gentes de Direito;
Associação Paulo Freire de Educação e Cultura Popular (Apafec);
Pastoral do Migrante;
Escola de Fé e Política da Diocese de Tubarão;
Pastoral da Aids da Regional Sul 4;
Cáritas Regional de Santa Catarina;
Conselho Estadual dos Direitos Humanos;
Casa de Apoio São José;
Fórum Estadual de Economia Solidária;
Idelvino Luiz Furlanetto (in memoriam), fundador da Central Única dos Trabalhadores (CUT), ex-deputado estadual;
Marcelino Chiarello (in memoriam), vereador em Chapecó, com forte atuação no movimento sindical;
Luiz Facchini (in memoriam), padre da Diocese de Joinville;
Dilmar Sell (in memoriam), padre da Diocese de Lages;
Lédio Rosa de Andrade (in memoriam), desembargador com atuação no programa Lar Legal, do Tribunal de Justiça;
Idalina Maria Boni (in memoriam), pioneira em Santa Catarina na área da economia popular solidária.
Alexandre Back

Veja também

Catarinenses eleitos são diplomados hoje18/12/18 Governador, vice-governadora, senadores e deputados federais e estaduais recebem diploma hoje, em Florianópolis...

Voltar para Política