Postado em 06 de Agosto às 14h55

MPF deflagra Operação que investiga fraude em licitação e peculato em três municípios do Oeste

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina O Ministério Público Federal (MPF) em Santa Catarina deflagrou na manhã desta terça-feira (6) a Operação Flamel, com o cumprimento de...

O Ministério Público Federal (MPF) em Santa Catarina deflagrou na manhã desta terça-feira (6) a Operação Flamel, com o cumprimento de nove mandados de busca e apreensão nos municípios de Irani, Vargem Bonita e Concórdia. A operação é conduzida pelo MPF em Chapecó, com o apoio da Assessoria de Pesquisa e Análise Descentralizada (Aspad) da Procuradoria da República em SC. Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos pela Polícia Rodoviária Federal e pela Polícia Militar de Santa Catarina, com auxílio do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) do Ministério da Saúde e Grupo de Ação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado de SC.

Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Federal de Chapecó, a pedido 3º Ofício do Oeste Catarinense do MPF. A Operação Flamel tem como objetivo reunir elementos probatórios da prática dos crimes de fraude em licitação e peculato, referente à contratação direta indevida de um laboratório de análises clínicas pela prefeitura do município de Irani. Há ainda a suspeita de pagamento por exames não realizados, no período de 2013 a 2016, sem relação com a atual gestão municipal.

O nome da operação tem relação com Nicolau Flamel, um dos mais famosos alquimistas da história, ligado a laboratórios que inventavam fórmulas. Segundo a lenda que acompanha seu nome, ele teria sido o criador da pedra filosofal que transformava qualquer metal em ouro e ainda servia para o preparo do elixir da vida eterna.

O atual prefeito de Irani, Sivio Antônio Lemos das Neves, disse que a Polícia Federal esteve no Centro Administrativo pela manhã e que, com exceção de alguns funcionários mais antigos que foram solicitados para colaborar na coleta de documento, os demais foram dispensados no período matutino. " O que coube a nós foi fornecer documentos sobre licitações e gastos com laboratório de análises clínicas. Eles fizeram uma varredura na área da saúde. Mas agora à tarde voltamos a atender normalmente" informou o prefeito.

Veja também

Família de PM morto por defeito em arma será indenizada em R$ 200 mil e terá pensão24/05 Foto Ilustrativa O juiz Luís Francisco Delpizzo Miranda, da 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca da Capital, condenou uma empresa de armamentos a pagar R$ 200 mil, a título de dano moral, à família de um policial militar que morreu em serviço devido a um defeito na arma. É mais um golpe na indústria bélica do país, no momento em que o......

Voltar para Polícia