Postado em 24 de Maio às 13h20

Família de PM morto por defeito em arma será indenizada em R$ 200 mil e terá pensão

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina Foto Ilustrativa O juiz Luís Francisco Delpizzo Miranda, da 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca da Capital, condenou uma empresa de armamentos a pagar...

Foto Ilustrativa

O juiz Luís Francisco Delpizzo Miranda, da 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca da Capital, condenou uma empresa de armamentos a pagar R$ 200 mil, a título de dano moral, à família de um policial militar que morreu em serviço devido a um defeito na arma. É mais um golpe na indústria bélica do país, no momento em que o setor registra excitação com a possibilidade de expandir vendas após medidas condescendentes editadas pelo governo federal.

De acordo com os autos, no dia 21 de novembro de 2011, por volta das 17h, o PM fez uma abordagem de rotina em São José e, ao se "inclinar para pegar no chão a pochete do suspeito, sua pistola PT 100 .40 se desprendeu do colete balístico, caiu no chão, disparou e a bala acertou seu rosto". Ele morreu na hora. A arma, segundo os autos, estava travada.

A família do policial - ele tinha uma filha de um ano - ingressou na Justiça com pedido de indenização por danos morais e materiais contra a empresa e também contra o Estado de Santa Catarina. Na decisão, Delpizzo Miranda afirmou que as provas coletadas, em sua integralidade, atestam a responsabilidade da empresa de armamentos porque "foi justamente a falha na pistola que ocasionou a morte do policial".

Ele fez questão de ressaltar que o ocorrido não é fato isolado no histórico da empresa. "São diversas as ocorrências noticiando a mesmíssima falha no armamento e que culminou, desta feita, em ceifar a vida de um policial catarinense", destacou. A fabricante se apresenta no mercado como empresa estratégica de defesa, com 80 anos de história, sediada no vizinho Estado do Rio Grande do Sul, que emprega mais de 1,8 mil pessoas e exporta para mais de 100 países.

Mas não houve responsabilidade do Estado nem participação de qualquer outro agente estatal no ocorrido, de acordo com o magistrado. "O Estado licitou a aquisição do armamento, disponibilizou sua utilização aos servidores e realizou adequado treinamento", disse. "Por isso", pontuou o juiz, "no que tange ao Estado, não vislumbro qualquer responsabilização, razão pela qual a improcedência do pedido é medida que se impõe".

Além de condenar a empresa a pagar à família pelos danos morais, o magistrado determinou o pagamento de pensão para a filha do PM - até ela completar 25 anos - e pensão aos pais em caráter vitalício ou até a data em que o agente completaria 65 anos. Isso porque ficou provado, nos autos, que eles dependiam economicamente do filho. O caso corre em segredo de justiça. Cabe recurso ao TJ. (fonte: TJSC)
 

Veja também

Pai é condenado por torturar, estuprar e engravidar a filha20/11/18Homem foi sentenciado a 57 anos de prisão; adolescente vivia em cárcere privado. Um homem de 38 anos foi condenado a 57 anos de prisão em regime fechado por estupro qualificado, tortura e ameaça contra a própria filha. Ele não vai poder recorrer em liberdade. A sentença é da Vara Única de......
Queda de motocicleta no Bairro Matinho deixa mulher ferida em Xanxerê15/08 O Corpo de Bombeiros atendeu na tarde de quinta-feira (15), por volta das 16h, queda de motocicleta. A motociclista sofreu um corte na mão direita e foi encaminhada em estado estável para o HRSP. Foto e Informações: Corpo de......

Voltar para Polícia