Postado em 14 de Maio de 2019 às 08h13

Recolhimento de animais mortos em propriedades rurais está suspenso

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina O vereador do MDB, Ledinho Curtarelli apresentou na reunião de quinta-feira, 09, o pedido para que seja encaminhado expediente ao Ministério da Agricultura,...

O vereador do MDB, Ledinho Curtarelli apresentou na reunião de quinta-feira, 09, o pedido para que seja encaminhado expediente ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), à ministra Tereza Cristina para que seja realizada a assinatura da instrução normativa que estabelece regras sobre a comercialização de farinha de carnes fabricadas a partir do processamento dos animais que morrem nas propriedades rurais.

Há cerca de dois anos e meio, a empresa CBRASA, de Seara realiza o recolhimento de animais mortos em 75 municípios do oeste catarinense, porém em virtude do alto custo do serviço, a empresa paralisou as atividades por 30 dias. Segundo o vereador Ledinho, existe a necessidade e urgência por parte da empresa da assinatura desta IN, pois assim, ela fica autoriza a comercializar a farinha de carnes em outros países. A empresa faz parte de um projeto piloto em Santa Catarina e no Brasil.

Curtarelli acrescenta que este serviço é de suma importância aos municípios, haja vista que não é permitido enterrar ou incinerar os animais mortos. Já o vereador Volnei Dervanoski, salientou que Xaxim possuí 10 mil matrizes leiteiras e 27 mil bovinos, com uma média de mortalidade de 2% a 3%, sendo que uma boa parte desses animais eram recolhidos pela empresa. Ele alertou que se as carcaças não tiverem uma destinação correta, podem ocorrer sérios problemas ambientais, inclusive contaminação da água.

Veja também

Malásia devolverá 3 mil toneladas de plástico aos países de origem28/05/19 Depois de a China ter proibido a importação de lixo plástico, interrompendo o fluxo de mais de 7 milhões de toneladas por ano, a Malásia tornou-se o principal receptor mundial desse tipo de resíduo. Agora, o governo......

Voltar para Geral