Postado em 19 de Março às 09h10

Estado realiza campanha de vacinação contra a febre amarela

A Campanha Estadual de Vacinação contra a Febre Amarela será realizada entre os dias 20 de março e 20 de abril, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive). 

Florianópolis - A Campanha Estadual de Vacinação contra a Febre Amarela será realizada entre os dias 20 de março e 20 de abril, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive). Nesse período, todos os moradores do Estado, a partir de 9 meses de idade, devem procurar uma unidade de saúde para a vacinação contra a doença. Hoje, 56% do público-alvo estão imunizados e a meta é chegar a 95%.

O alerta vermelho em Santa Catarina acendeu quando o Paraná registrou uma morte pela efermidade, no dia 7 de março. Um homem, trabalhador da zona rural de Morretes (PR), que não tomou a vacina, morreu.

De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde, Raquel Ribeiro Bittencourt, o aparecimento de casos no estado vizinho significa que o vírus, antes no estado de São Paulo, está descendo e pode chegar a qualquer momento a Santa Catarina. “Isso nos preocupa, porque quase a metade dos catarinenses não está imunizada”, esclarece.

Por causa disso, em um entendimento entre os municípios catarinenses e o Estado, foi definida a realização da campanha.

A diretora Dive, Maria Teresa Agostini, alerta que a vacina é a única forma de prevenção. “Lembrando que as doses estão disponíveis gratuitamente nas unidades de saúde de todo o Estado”, afirma a diretora.

Febre amarela

A febre amarela é uma doença grave que pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente. Ela é causada por um vírus transmitido pela picada do mosquito, não há transmissão de pessoa a pessoa.

No Brasil, os casos de febre amarela são classificados como silvestre. Não há informação de febre amarela urbana. Ainda assim, como a população catarinense que vive na área urbana está exposta a bordas de mata, fragmentos de mata, como parques, praças arborizadas, jardins botânicos e áreas periurbanas (áreas de mata próxima das cidades), o risco dos mosquitos silvestres, Haemagogus e Sabethes, transmitirem a doença é alto.

Os principais sintomas são: início súbito de febre; calafrios; dor de cabeça intensa; dores nas costas; dores no corpo em geral; náuseas e vômitos; fadiga e fraqueza. Alguns melhoram após esses sintomas iniciais. No entanto, entre 15% e 60% das pessoas que apresentam esses sintomas evoluem para a forma mais grave da doença.

Nos casos graves, a pessoa pode desenvolver algumas complicações como febre alta; coloração amarelada da pele e do branco dos olhos; hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal); e eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Destes que apresentam sintomas mais graves, entre 20% e 50% podem morrer.

A única forma de prevenir a febre a amarela é com a vacinação. Apenas uma dose é suficiente para ficar protegido durante toda a vida. “É importante reforçar também que quem já tomou uma dose está imunizado, não é preciso fazer o reforço após 10 anos”, lembra a médica infectologista da Dive, Marise Mattos.

Veja também

Mauro De Nadal faz apelo para viabilizar projeto de recolhimento de animais mortos nas propriedades09/05 Vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado Mauro De Nadal fez um apelo ao Ministério da Agricultura para que faça a regulamentação do projeto-piloto de descarte de animais mortos nas propriedades rurais. O projeto já funciona em Santa Catarina, mas por falta da regulamentação federal impede que a empresa que faz o recolhimento dos animais nas propriedades......

Voltar para Geral