Postado em 24 de Abril às 16h13

Cármen Lúcia suspende decisão sobre reorientação sexual

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina Foto: Arquivo- Antonio Cruz/Agência Brasil A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu uma decisão da Justiça...

Foto: Arquivo- Antonio Cruz/Agência Brasil

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu uma decisão da Justiça Federal do Distrito Federal que autorizava psicólogos de todo o país a prestarem atendimento de reorientação sexual a pacientes que solicitassem tratamento do tipo, no que ficou conhecido como “cura gay”.

Ao atender um pedido do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Cármen Lúcia entendeu que o juiz de primeiro grau usurpou a competência do Supremo para julgar o assunto.

Em setembro de 2017, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal do Distrito Federal, autorizou psicólogos a atenderem pacientes que os procurassem devido ao que considerassem ser problemas causados por sua orientação sexual. Ele permitiu também que fossem promovidas pesquisas sobre assunto.

O magistrado rejeitou um pedido para suspender uma resolução do Conselho Federal de Psicologia que proíbe a “patologização” da homossexualidade. Apesar de manter a norma, ele proibiu que o CFP punisse psicólogos que tratassem gays considerados egodistônicos (que não aceitam sua condição homossexual). Ele considerou que qualquer punição nesse sentido seria inconstitucional.

O CFP recorreu então ao STF, alegando que a questão, por ser de natureza constitucional, somente poderia ser julgada pelo Supremo.

Ao STF, o conselho alegou que, após a decisão do juiz, “o ordenamento jurídico brasileiro passou a admitir, implicitamente, que a condição existencial da homossexualidade no Brasil, ao invés de constituir elemento intrínseco e constitutivo da dignidade da pessoa, retrocedeu no tempo, a fim de considerá-la uma patologia a ser supostamente tratada e curada através dos serviços de saúde, dentre os quais, a atuação de psicólogas e psicólogos”.

Para os três psicólogos autores da ação popular em primeira instância, com a resolução do CFP os cidadãos ficam impedidos de “requerer ao psicólogo orientação ou tratamento sobre o comportamento de sua sexualidade, uma vez que aquele profissional estaria impedido de prestar serviços”.

Cármen Lúcia não entrou no mérito da polêmica, se atendo somente a restaurar a competência do Supremo para decidir sobre o assunto. A suspensão determinada pela ministra é válida até que a questão seja discutida pelo STF.

Fonte: Agencia Brasil

Veja também

Mega-Sena acumula e vai pagar R$ 60 milhões no sábado18/04 O concurso 2.143 da Mega-Sena não teve acertadores no prêmio principal. Os números sorteados foram: 02, 12, 35, 51, 57 e 58. A quina - cinco números - teve 81 ganhadores, cabendo a cada um deles R$ 48,90 mil. A quadra - quatro números - registrou 6.545 acertadores. Cada um ficará com R$ 864,62. O próximo sorteio da Mega-Sena será no......
Projeto Primeiros Acordes de Ipuaçu terá aula de canto 16/01 Neste ano, além das aulas de viola caipira, acordeom e violão, também haverá aulas de canto, coral. Inscrições podem ser realizadas diretamente na Secretaria de Educação. ...

Voltar para Geral