Postado em 24 de Abril às 08h39

Status sanitário e rota do milho: prioridades da frente da suinocultura

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina FOTO: Rodolfo Espínola/Agência AL A manutenção do status sanitário de Santa Catarina como estado livre de aftosa e a...

FOTO: Rodolfo Espínola/Agência AL

A manutenção do status sanitário de Santa Catarina como estado livre de aftosa e a viabilização da rota do milho vindo do Paraguai e da Argentina estão entre as prioridades da Frente Parlamentar em Defesa da Suinocultura da Assembleia Legislativa, que se reuniu pela primeira vez na tarde desta terça-feira (23), na Sala das Comissões do Parlamento catarinense. O evento contou com a presença de prefeitos, vereadores e produtores de quase 20 municípios das principais regiões produtoras do estado.

O coordenador da frente, deputado Altair Silva (PP), destacou que a suinocultura é uma das principais atividades econômicas do estado, com impacto nas exportações e na geração de empregos. A frente, conforme ele, reconhece essa importância, ao constituir, dentro da Assembleia Legislativa, um grupo permanente para tratar das demandas do setor.

“A frente surge para dar apoio à nossa suinocultura”, afirmou Altair. “Vamos reforçar esse modelo econômico tão importante para o nosso estado. São vários desafios pela frente para nos mantermos competitivos. Temos um desafio enorme, que é suprir a demanda de milho para a suinocultura, e isso exige trazer milho de outras regiões, inclusive do Paraguai”, completou.

Várias entidades do segmento participaram da reunião desta terça. O presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, destacou que a frente parlamentar será importante por agregar os vários atores da suinocultura estadual.

“Muitas demandas que nós precisamos na área saem aqui da Assembleia. É uma frente que agrega todo o setor, desde o cooperativismo, as indústrias, os produtores independentes. A frente vai fazer a diferença”, comentou.

Lorenzi também citou como desafios da suinocultura a questão sanitária e a falta de autossuficiência do estado na produção de milho. “Temos que cuidar da questão sanitária. Temos 68 barreiras sanitárias, mas precisamos aperfeiçoar isso e não correr risco para continuarmos exportando para os mercados mais exigentes”, disse. “Também tem a deficiência do milho, temos que importar milho da Argentina e do Paraguai. Trazer milho da Argentina por navegação de cabotagem”, completou.

O secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Ricardo de Gouvêa, representou o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) na reunião de abertura da frente. Ele reconheceu que a questão sanitária é um dos principais desafios do setor. “Esse é um trabalho que tem que envolver todos, não só o governo. A questão sanitária é uma preocupação nossa, mas precisamos da ajuda dos prefeitos, vereadores, dos produtores”, disse.

O secretário também considerou que a frente parlamentar terá um papel importante na defesa da suinocultura. “A Assembleia, tendo uma comissão dessas, reforça a importância do setor para Santa Catarina. É de grande valia para os produtores e para o governo contar com essa frente”, declarou.

Os deputados Volnei Weber (MDB) e Neodi Saretta (PT), que participaram da reunião, foram escolhidos como vice-coordenador e secretário da frente. Nilso Berlanda (PR), Sergio Motta (PRB), Fabiano da Luz (PT), Moacir Sopelsa (MDB), Coronel Mocellin (PSL), Valdir Cobalchini (MDB), Dr. Vicente Caropreso (PSDB) e Romildo Titon (MDB) também estiveram na reunião da frente.

Veja também

Receita fiscalizará 7 mil contribuintes e quer recuperar R$ 164 bi06/05 Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil A Receita Federal já identificou sete mil contribuintes que serão fiscalizados por sonegação no primeiro semestre de 2019. Entre os setores que estão na mira do Fisco este ano,......
Jovens brasileiros lideram abertura de MEI no setor do comércio18/12/18 Levantamento traçou o perfil dos consumidores que se tornaram microempreendedores individuais entre janeiro e setembro de 2018. Pessoas de 41 a 50 anos preferiram apostar na indústria....

Voltar para Economia