Postado em 15 de Abril às 10h56

Santa Catarina busca apoio federal para melhorias na Rota do Milho

A Rota do Milho já é uma realidade em Santa Catarina, o trajeto diminui os custos logísticos para a importação do grão e abastecimento das agroindústrias no estado. O Governo catarinense busca agora apoio federal para melhorar os serviços prestados na aduana de Dionísio Cerqueira, porta de entrada do milho vindo do Paraguai. Esse foi um dos assuntos tratados nesta sexta-feira (12), pela vice-governadora Daniela Reinehr e o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Ricardo de Gouvêa, durante audiência com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e com o secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Pacheco dos Guaranys, em Brasília.



?Foi um dia muito produtivo. Tivemos encaminhamentos importantes sobre a Rota do Milho, para viabilizarmos e melhorarmos o processo de entrada do grão em Santa Catarina. Além disso, tratamos de questões relativas ao setor pesqueiro, defesa agropecuária e políticas de crédito fundiário. Temos um prazo para recebermos as respostas do Governo Federal e estamos otimistas de que vamos avançar em várias questões. O Governo do Estado segue empenhado para que o nosso agronegócio continue sendo referência para o Brasil e para o mundo?, ressalta a vice-governadora Daniela Reinehr.

Veja também

Produtor de cachaça de Xanxerê conquista prêmio em exposição mundial10/06 O produtor de cachaça Celito Bordin, de Xanxerê participou no final de semana em Belo Horizonte, Minas Gerais, da 29ª Expochaça que é a maior, mais importante e conceituada vitrine mundial da cadeia produtiva e de valor da cachaça do mundo. O evento nasceu em Minas Gerais em 1998 e ganhou a liderança no Brasil e visibilidade mundial com objetivo de utilizar a......
Governo promete energia barata e simplificação dos impostos18/04 Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou que o governo está preparando uma sequência de medidas “extraordinariamente fortes e positivas” para o país. “Tem......

Voltar para Economia