Postado em 18 de Fevereiro às 11h02

Preço do suíno sobe dez centavos a partir de hoje

ACCS prevê melhoras no setor nos próximos meses.

Concórdia - O preço do quilo do suíno vivo pago ao produtor sofre um reajuste neste início de semana, o que deve beneficiar o suinocultor, mas que ainda deixa longe do valor ideal. A informação foi confirmada pela Cooper Central Aurora ainda na sexta-feira, dia 15. O aumento anunciado foi de dez centavos, passando dos R$ 2,90 praticados até então para R$ 3,00

Até o fim de semana, a alteração havia sido anunciada e aplicada apenas pela Cooper Central Aurora. Os demais frigoríficos não alteraram seu preço. Esta foi a primeira mudança no preço do quilo do suíno em quase três meses. Os R$ 2,90 estava fixos desde o dia 21 de novembro, quando subiu 10 centavos. Conforme o comunicado, a mudança passa a valer nesta segunda-feira, dia 18.

O ano passado foi marcado pela estabilidade do preço, sem grandes quedas, mas longe do ideal, com os preços de R$ 2,80 e R$ 2,90 se mantendo em boa parte do ano. Há um ano, exatamente entre os meses de fevereiro e março de 2018, o preço do suíno vivo pago ao produtor vinha sofrendo frequentes quedas de dez centavos. Ou seja, neste ano houve uma alteração, pelo menos momentânea, neste padrão de queda para este período do ano.

Na avaliação do presidente Associação Catarinense dos Criadores de Suínos (ACCS), Losivânio de Lorenzi, o reajuste vem em um importante momento. “Vem em um momento importante para o produtor, pois muitos já estavam sem esperança na atividade. No ano passado, tivemos mercados importantes que compraram mais volume de carne suína, e acreditamos que este ano será um ano promissor para as exportações, e melhorando a economia também teremos melhores ganhos dentro do mercado interno. Esperamos que agora em março também tenha novas reações de preço, pois precisamos ter lucro”.

Mas, há vários anos, representantes do setor e os próprios suinocultores vêm reclamando que o valor pago ainda está longe do que eles esperam, resultando no fato de que eles têm precisado muitas vezes pagar para trabalhar. Conforme o site da ACCS, o valor pago pelos demais frigóricos até sexta-feira, sendo que eles não haviam informado alteração no preço, era R$ 2,90 na JBS e Pamplona e de R$ 3,00 na BRF.

(fonte: Rádio Rural)

Veja também

Voltar para Economia