Postado em 30 de Janeiro às 09h40

Calor afeta produção de hortaliças e número de itens diminuem nas prateleiras dos supermercados

Há propriedades em que a produção reduziu em até 80%.

Por: Cristiane Aline


Xanxerê – As chuvas de verão aliadas as altas temperaturas tem afetado a produção de hortaliças e legumes na região. Segundo Suelen Cima e Jean Cruzaro, proprietárias da empresa Banhado Verde de Faxinal dos Guedes, que possuem vinte estufas de 50 metros cada, a produção reduziu em 80%, mas ainda conseguem atender os mercados de Xanxerê e Faxinal dos Guedes.


Suelen explica que a situação se repete sempre na mesma época do ano, pois quando a hortaliça adquire resistência ao sol, começa a chover ocasionando ou o apodrecimento da planta ou o estouro das sementes.


“O mesmo acontece com legumes e raízes como a cenoura, beterraba e rabanete que são entregues aos mercados em maços. O calor e a chuva intercalados, como nesta época, estragam as folhas ou as apodrecem, caso do repolho e alguns legumes”, explica Suelen.


Já na propriedade de Mauricio Armani da empresa Verduras Armani, mais de 60 mil pés de alface foram perdidos por causa das mudanças climáticas típicas de janeiro e doenças que acometem as plantas.


“Geralmente acontece isso em janeiro, mas esse ano foi pior, pois tiveram varias doenças que se uniram as chuvas e sol intenso. Atendemos 80 mercados estamos sofrendo para entregar pelo menos um pouco de produto, isso no hidropônico, já no solo perdemos mais de 60 mil pés de alface. O que estamos plantando agora, ainda não está se recuperando”.


Das 900 unidades por dia de produtos entregues, reduziram para 100 ao dia, e comenta que a entrega só não parou 100% pois tem locais, como restaurantes que não podem ficar sem o produto.


Supermercados sendo abastecidos por outras regiões
Segundo o presidente dos supermercadistas de Xanxerê, Edson Marció alguns itens de hortifrúti que antes eram comprados na cidade, agora precisam vir de outras regiões, devido à falta de itens.


“Estamos precisando buscar fora da região, pois os fornecedores estão com baixa produção. Os que mais faltam nos mercados são as verduras, folhas verdes, tomate e cebola”, comenta Edson.

Veja também

Chapecó registra queda nas vendas de Natal09/01 Conforme indicado na pesquisa de Resultado de Vendas, os chapecoenses tiveram gasto médio de R$ 356,58 com o presente de Natal 2018. Esse valor registra queda sobre os R$ 375,44 gastos em 2017, ou seja, de R$ 18,86 a menos. ...

Voltar para Economia