Postado em 18 de Março às 14h06

Bolsonaro quer reduzir quantidade de barcos de pesca no Brasil

Uma postagem do presidente Jair Bolsonaro (PSL) no twitter, neste domingo, surpreendeu o setor pesqueiro. 

Florianópolis - Uma postagem do presidente Jair Bolsonaro (PSL) no twitter, neste domingo, surpreendeu o setor pesqueiro. Ele afirmou que o governo discute projetos para reduzir o esforço de pesca no Brasil e a inclusão de pescadores em programas de turismo ambiental, como o mergulho. 

A medida tem reflexos em Santa Catarina. O Estado concentra o maior polo pesqueiro do país, em Itajaí, com cerca de 400 barcos industriais associados.

O secretário nacional de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Junior, ressaltou que o projeto ainda é embrionário. Mas disse que a ideia, discutida em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, converge com políticas internacionais ligadas ao tema.

_ A frota estimada no Brasil hoje é de 80 a 100 mil embarcações. Temos menos de 2 mil controladas. Ao longo dos anos, devido a planejamento insuficiente, falta de estatística pesqueira e erros de gestão, identificamos que existem esforços (de pesca) muito grandes.

O secretário não especificou onde estão os maiores problemas, mas disse que o governo pretende oferecer uma oportunidade para quem quiser deixar a atividade pesqueira. Segundo ele, o maior desafio do projeto é o financiamento. O governo avalia buscar ajuda internacional. 

- Poderemos esvaziar esses esforços (de pesca) fazendo com que os remanescentes tenham maior produção e mais controlada. Hoje não temos controle e isso é gravíssimo – afirmou.

Seif diz que a medida não contraria o posicionamento do presidente de aumentar o consumo de pescado no Brasil. Segundo ele, em todo o mundo tem aumentado o consumo de pescado vindo da aquicultura e da maricultura, e não da pesca extrativista.

- Estamos indo em direção à sustentabilidade e ao preservacionismo. Foram emitidas licenças indiscriminadamente - avalia.

André Matos, presidente da Câmara de Desenvolvimento da Indústria da Pesca na Fiesc, diz que redução é necessária. Ele já havia apresentado uma proposta semelhante ao governo federal, ainda durante a vigência do extinto Ministério da Pesca. 

- Tivemos uma crescente desordenada. A única maneira de organizar o setor, de ter futuro no extrativismo, é reduzir. Mas precisamos saber como vai ser. Quem tem o barco tem um bem, precisará ser indenizado.


(fonte: NSC)

Veja também

Chapecó agora só tem uma ligação aérea com Florianópolis23/04 Em razão de crise que enfrenta nos últimos anos, a Avianca Brasil deixou nesta segunda-feira (22) de operar no Aeroporto Serafim Bertaso, de Chapecó, suprimindo assim a ligação aérea que operava na rota......
Contribuintes têm até hoje para entregar Imposto de Renda30/04 Foto: Marcelo Casal - Agência Brasil Os contribuintes que ainda não fizeram a Declaração do Imposto de Renda deste ano têm até as 23h59min59s de hoje (30) para acertarem as contas com o Leão. Até as......

Voltar para Economia