Postado em 05 de Abril de 2019 às 09h30

Medo: como lidar com uma das emoções mais importantes da nossa vida?

Principalmente na infância o medo é muito presente e se não for levado a sério pode trazer problemas.

Por Joimara S.Camilotti

Xanxerê – Hoje vivemos numa sociedade de medo, seja da violência, assalto, bala perdida, demissões, alguma doença, mas muito antes da vida adulta, o medo já está presente e na infância pode se tornar um tremendo “mostro” que sem a vigilância de um adulto trará sérios riscos. Um personagem ultimamente, tem chamado a atenção dos pais quanto a necessidade de estar acompanhando o que os filhos assistem ou ouvem. A tal Momo, uma escultura de um artista japonês acabou virando símbolo do medo entre as crianças que utilizam as redes sociais, sendo capaz de instigar os pequenos a cometer algo contra a própria vida. Mas como controlamos o medo? A psicóloga Débora Biazzi, da ComTato dá um norte de como é possível lidar com o medo.

Porque o medo é tão presente na infância? Seja ele do escuro, ficar sozinho, ou do bicho papão, por exemplo?

Débora Biazzi: O medo é uma emoção, assim como todas as outras, muito importante para nossa vida. Na dose certa, ele pode ser nosso aliado, pois nos alerta para riscos e perigos que podemos estar expostos. Na infância, o medo é uma resposta emocional frente a situações novas e inéditas e a capacidade das crianças de dominá-las. Por exemplo: quando aparece um monstro na história, ou na TV e a criança sente medo, dizer a ela que o monstro não existe será pouco eficaz, pois nós, adultos, sabemos que o mostro não existe, mas eles ainda não possuem plena capacidade de diferenciar a fantasia da realidade. Portanto, acolher o medo e mostrar para a criança que ela está segura é sempre a melhor alternativa.

Ficar sozinho e ter medo do escuro também é completamente normal na infância. Entre os 4 e os 6 anos de idade, tais medos podem se intensificar (ficar sozinho, do escuro, de personagens, máscaras.) porém, é importante nunca menosprezar o medo da criança e acolher o sentimento, pois ele é genuíno e verdadeiro para os pequenos quando o sentem. Quando houver medo do escuro, por exemplo, é importante dialogar: o que tem no escuro que te causa medo? Quando a criança se sentir segura, entrar no quarto escuro, olhar embaixo da cama, nos armários e onde mais for necessário para que ela perceba que não há nada a temer e desenvolva recursos para enfrentar os medos que sente. O diálogo e a paciência de acolher amorosamente é sempre a melhor solução.

Porque personagens como a Momo geram tanto medo nas crianças ao ponto de algumas se sentirem na obrigação de atender o que ela pede?
Débora: O medo de lendas é natural e esteve presente em todas as gerações (como a loira do banheiro e o homem do saco nos anos 90, por exemplo), porém, com a internet, acabam ganhando proporções muito maiores, como as geradas pela lenda da Momo. As crianças não possuem plena capacidade de diferenciar a imaginação da realidade, portanto, o que veem e ouvem, para elas é genuíno. O medo que as crianças sentem, na verdade, é daquilo que é diferente. Lendas como a da boneca Momo, que possui uma aparência diferente da “habitual”, podem ser bastante nocivas e levar as crianças a sentirem medos que não sentiam antes de conhecer tais histórias. Quanto menor a criança, mais nocivo pode ser o poder da lenda. 

Também é importante ressaltar que, além da história, a Momo oferece risco pois incentiva e ensina crianças a se automutilarem, sendo ainda mais grave. O medo gerado, portanto, não é apenas nas crianças, mas nos pais, que precisam aprender formas de lidar com a situação e instruir as crianças caso tenham contato com os vídeos e imagens. Por isso, é importante que os pais monitorem os conteúdos que os filhos consomem, além de conversar com eles a respeito das lendas e histrias que circulam na internet e até mesmo entre os amigos na escola. Mediando o conteúdo, podemos, além de proteger nossos filhos, criar uma conexão com eles, que nos permite abrir o diálogo e alertá-los sobre os perigos que podem surgir na internet.

Como os pais podem evitar alguns medos? Vale explicar, no caso da Momo, o que é antes da criança ter contato, ou isso só atiça a curiosidade?

Débora: Acredito que não exista uma forma de evitar os medos, pois cedo ou tarde eles vão acontecer, seja do escuro, de monstros ou até mesmo da Momo. Porém, a maneira como os pais e cuidadores vão lidar com essas emoções das crianças é fundamental. É importante que estejamos atentos ao que está causando medo para poder orientá-las e oferecer segurança. É de extrema importância que nunca menosprezemos as emoções das crianças com frases como “não precisa ter medo”, “você já é grande para ter medo disso”, “você não é corajoso” entre outras, pois o medo que as crianças sentem é genuíno e necessita de atenção. 

Ao lidar com os medos das crianças, além de acolher seus sentimentos, necessitamos de coerência. De nada adianta acalmar a criança dizendo que o monstro não existe se, quando a criança se comporta de maneira inadequada, dizemos que o monstro vai pegá-la. É preciso que sejamos coerentes e também compreensivos com os medos infantis, dialogando e mostrando que inclusive os adultos possuem medos e receios.

Ainda, é importante que os pais desenvolvam mecanismos para conversar a respeito dos medos e apoiar as crianças no desenvolvimento de estratégias para lidar com eles. Criar brincadeiras para que as crianças possam expressar o que estão sentindo é uma boa alternativa para os que tem mais dificuldade em falar sobre as emoções.

Sentir medo traz algum benefício? Qual? E entre os malefícios, quais são?
Débora: As emoções, num geral, nos lembram das nossas necessidades, frustrações e também de nossos direitos. O medo é uma emoção base fundamental, pois é o que nos permite identificar e reagir a situações de risco. Portanto, o medo é uma emoção essencial à nossa sobrevivência, pois nos permite reagir àquilo que nos ameaça e causa emoções desagradáveis.

Porém, precisamos ficar atentos quando essa emoção já não é mais saudável. Quando os medos atingem níveis que atingem a rotina, seja de crianças, adolescentes ou adultos, é preciso estar atento e procurar auxílio de profissionais. Por exemplo: quando atrapalha a rotina escolar, impede de frequentar lugares ou de realizar atividades rotineiras, o medo passa a ser um problema. Quando chega em tal nível e não é tratado, o medo pode atingir níveis crônicos e causar prejuízos psicossociais, além de seguir presente na vida adulta e configurar-se em alguma fobia, transtorno ou trauma.
 

Veja também

Joseane crítica situação das estradas do interior24/06/19 A vereador do MDB, Joseane Sampaio usou o espaço da tribuna na reunião desta terça-feira, 18, para falar sobre a situação das estradas do interior do nosso município. Ela, juntamente com o vereador Gildomar Michelon estiveram visitas algumas linhas, onde confirmaram a situação precária em que se encontram e, inclusive o serviço inacabado por parte......
Córrego no Bairro Flor recebe serviços de reabertura e dragagem24/06/19 O Governo de Xaxim, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura, trabalhou na última semana na limpeza do córrego existente na Rua Irineu Bornhausen, no Bairro Flor. Após anos de alagamentos rotineiros no trecho que dá......
AMAI é apoiadora de curso de Fiscalização Ambiental28/08/19 A Federação Catarinense de Municípios (FECAM) por meio do Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Meio Ambiente (CEGEMA), e em parceria com a Polícia Militar Ambiental de Santa Catarina e apoio da AMAI realiza nesta quarta e......

Voltar para Cidades