Postado em 23 de Janeiro de 2019 às 09h15

Juiz concede liberdade provisória à mãe suspeita de matar filha de 4 anos em Guatambu

Caso está em segredo de Justiça. Delegado tem 30 dias para concluir o Inquérito Policial.

Guatambu - Na tarde de terça-feira (22), o juiz substituto Guilherme Pereima concedeu a liberdade provisória à mulher indiciada pela morte da filha de 4 anos. O fato aconteceu na madrugada de segunda-feira (21), no município de Guatambu. 

Conforme o Tribunal de Justiça de Chapecó, a audiência de custódia estava marcada para às 16h de terça. A decisão foi tomada em conformidade com ofício do delegado de polícia Tiago Escudero, onde relata que, “após exames preliminares, em contato com o perito responsável pelo exame, foi recebida a informação de que, embora a suspeita tenha confessado ter agredido a filha e tais lesões serem observadas no corpo da criança, as agressões, a princípio, não têm relação com o óbito”.


Diante do argumento, a audiência de custódia foi dispensada e a mulher foi liberada em tempo dos atos fúnebres da filha.

A polícia e o Poder Judiciário aguardam laudo pericial oficial da morte da criança. O caso segue sob responsabilidade da 1ª Vara Criminal da comarca de Chapecó, em segredo de Justiça.


Relembre o caso
Na madrugada de segunda-feira (21), por volta das 00h30, deu entrada no Hospital de Caxambu do Sul, uma criança de 4 anos, com sinais de agressão e já morta. A Polícia Militar foi acionada pela equipe médica da unidade.


Aos policiais, a mãe da criança contou que ao ir deitar com a filha, percebeu que a menina estava gelada. Ela teria pedido ajuda à populares para conduzir a menor de Guatambu ao hospital de Caxambu do Sul.


O delegado Tiago Escudeiro, da Polícia Civil, estava de plantão no dia dos fatos. Segundo ele, a equipe médica mostrou aos policiais onde estavam os hematomas. “Depois nós conversamos com a mãe da criança e ela confessou que havia agredido a filha, dado uma surra, mas ela não soube dizer o motivo”, contou.


A mulher também disse à polícia que as agressões teriam ocorrido cerca de três horas antes da confirmação da morte.


Escudeiro afirma que diante dos indícios, da confissão da mãe e da ausência de motivos para o fato, foi feita a prisão em flagrante da mulher. Segundo ele, o Instituto Médico Legal (IML) foi chamado para realizar os exames necessários no corpo da menina.


Investigação

O laudo cadavérico deverá ficar pronto dentro de 45 dias. O procedimento de flagrância foi concluído ainda no dia dos fatos pelo delegado Escudero e remetido à Delegacia de Polícia Civil de Guatambu, que ficará responsável pela investigação.


O delegado da comarca, Luiz Scheffer informou que o procedimento já chegou até a DP. “A gente está aguardando os laudos periciais”, destacou.


Com a liberdade provisória da suspeita, Scheffer afirma que tem 30 dias para concluir o Inquérito Policial sobre o caso.


(fonte: ClicRDC)
 

Veja também

Jovens xaxinenses participam de missões no Rio de janeiro16/07/19 Um grupo de jovens da Paróquia São Luiz Gonzaga partiu, no início da tarde de hoje (16), da Praça Matriz em Xaxim, para uma experiência de missão na cidade do Rio de Janeiro. A iniciativa faz parte de um projeto......

Voltar para Cidades